Uneb promove I encontro de diversidade e gênero

Por: Tatiana Novais/ ExtremoSuper

A Universidade do Estado da Bahia – UNEB Campus X realizou neste sábado, 20 de maio de 2017, em Teixeira de Freitas, o 1° Encontro de Diversidade e Gênero, através da Coordenação de Campus, do DCE e da Diretoria de Ações Afirmativas. O encontro reuniu aproximadamente 200 pessoas e recebeu palestrantes de diversas cidades do país para debater questões de diversidade e gênero.

O evento que durou das 7h da manhã às 20h contou com a formação de 6 mesas de debates, a exibição do curta-metragem Benedita e um amplo espaço cultural direcionada a artistas locais, após o encerramento ainda houve a festa Não se Reprima II.

De acordo com uma das organizadoras, Sacha Biano, diretora de ações afirmativas do DCE da Uneb campus X, o evento tem como intuito trazer para debate as questões de gênero e de sexualidade, incentivar a produção científica e o estudo da educação sexual, levar para formação dos profissionais uma preparação para lidar com as questões de gênero e propor novas práticas pedagógicas sem imposição de papel de gêneros.

“O evento superou todas as expectativas da organização pois a princípio ele foi pensado para ser um evento menor, estávamos construindo uma roda de conversa acerca do tema, diante a uma demanda desse debate na Uneb, pois esse é o primeiro encontro que acontece com essa abordagem e é essencial que se discuta isso em uma universidade do nosso porte”, declarou Sacha.

Participaram do evento as universidades UFSB, UVV, UESC, UNB, UFBA, UEG,CUI, Unopar e UFES Cólegio Ruy Barbosa, Cetepes, Colegio da Policia Militar, IFA, IF Baiano, Cemas entre outros participantes de Brasília, Salvador, Vitória-ES, São Mateus-ES, Eunápolis, Porto Seguro, Ilhéus.

Segundo o palestrante Pedro Ivo Silva, Mestre em Educação, Linguagem e Tecnologias de Brasília, Promover esse tipo de ação permite que as pessoas tenham contato com a realidade de um grupo que sempre foi massacrado pela sociedade, fomentar esse debate com os estudantes proporciona criar multiplicadores e conscientizadores do combate a LGBTfobia, “É importante expandir esse tipo de evento para além dos muros da universidade, para que os outros segmentos sociais possam ter essa vivência enriquecedora”.

De acordo com a organização, “Apesar da dificuldade para conseguir espaço com as pessoas foi uma experiência muito gratificante, pois conseguimos obter do público o resultado que estávamos esperando, as pessoas saíram daqui com uma consciência maior sobre os LGBTs”.